Sobre a 1.ª volta das eleições presidenciais francesas

Sobre a 1.ª volta das eleições presidenciais francesas

A eleição do presidente da República francesa é de enorme importância para aquele país bem como para o futuro da União Europeia. A primeira volta das eleições presidenciais francesas, que teve lugar durante o dia de hoje, deixou clara a divisão dos franceses pelos vários projetos políticos apresentados. Com uma participação que não chegou aos 80%, os franceses decidiram que seriam os candidatos Emmanuel Macron e Marine Le Pen a passar à segunda volta das eleições.

Emmanuel Macron, o candidato centrista, ex-ministro de François Hollande, conseguiu a passagem à segunda volta com uma base de apoio muito heterogénea e com um discurso liberal e nem sempre muito claro em relação às suas propostas para o país. Apresenta, sim, propostas para a Europa marcadas pela convicção de que é essencial reformar o projeto europeu para garantir a sua sobrevivência, apesar de sabermos que seremos adversários na adesão de Macron a um social-liberalismo demasiado amigo do mercado e pouco crítico da austeridade.

A passagem de uma candidata da Frente Nacional à segunda volta, não sendo inédita, é um motivo de preocupação. O projeto político de Marine Le Pen e do seu partido está nos antípodas daquilo que o LIVRE defende e contará sempre com a nossa oposição.

Lamentamos profundamente que alguns candidatos se tenham recusado a apelar ao voto em Macron mesmo sabendo que do outro lado está a extrema-direita xenófoba e nacionalista.
Face à nossa total rejeição do projecto racista e xenófobo da Frente Nacional e dado o europeísmo de Macron, o LIVRE expressa o seu apoio a Emmanuel Macron. Como parceiros na União Europeia, é essencial ter na França um país solidário e um companheiro empenhado na luta pela reforma e melhoria do projeto europeu.

Numa eleição de tal importância, a ausência da esquerda – que, uma vez mais, se apresentou dividida – da segunda volta eleitoral é uma derrota. Esta divisão da esquerda é ainda mais preocupante com a aproximação das eleições para a Assembleia Nacional que se realizarão já no próximo mês de junho.

Aguardamos com expectativa os resultados da 2ª volta, a 7 de maio.

Petição

Retribuição Horária Mínima Garantida

Assine aqui a Petição