Por um cessar-fogo imediato em Gaza

Por um cessar-fogo imediato em Gaza

Nas últimas semanas mais de setecentas pessoas foram mortas em Israel e na Palestina, na sua grande maioria civis palestinos em Gaza. Após um período de combate à distância, com o lançamento de rockets sobre Israel por parte do Hamas e bombardeamentos aéreos em Gaza por parte da força aérea israelita, o exército israelita convocou dezenas de milhar de reservistas e lançou uma invasão terrestre à Faixa de Gaza.

As instâncias políticas mundiais, e sobretudo a União Europeia – munida de um recente Prémio Nobel da Paz – não podem continuar a distanciar-se daquele que é dos mais antigos conflitos do Médio Oriente e que tarda em encontrar uma paz durável. Assistimos a mais um episódio de guerra num conflito permanente em que a valoração da vida humana é medida de acordo com uma bandeira.

O LIVRE junta-se aos múltiplos apelos para um cessar-fogo imediato, exortando as instituições da União Europeia, da ONU, e a comunidade internacional em geral, a mobilizar-se no sentido de encontrar soluções dialogadas em vista de uma coexistência sem opressão entre israelitas e palestinos, liberta da ameaça terrorista ou militarizada e que garanta a justa repartição dos recursos naturais. Condenamos os autores do reacendimento do conflito, independentemente da sua origem, e condenamos a desproporção dos ataques de Israel a Gaza. Reclamamos das instituições nacionais, europeias e internacionais que exijam junto de Israel que não extrapole o seu direito à autodefesa num ato de punição coletiva dos palestinos de Gaza e que continuem a exigir junto dos atores políticos palestinos, nomeadamente o Hamas, o reconhecimento à existência em segurança de Israel no quadro de uma solução negociada do conflito e o fim de qualquer ato terrorista. Finalmente, recomendamos às instituições nacionais e europeias que dêem passos no reconhecimento do estado da Palestina, a exemplo do que já foi feito pela grande maioria da comunidade internacional, como forma de incentivar a um acordo de paz duradouro e em coexistência para aquela região.

 

(Imagem: Gaza – Julho de 2014; crédito: Mohammed Badarin)

Petição

Retribuição Horária Mínima Garantida

Assine aqui a Petição