O 1º de Maio e o Sindicalismo

O 1º de Maio e o Sindicalismo

Numa data tão importante para os trabalhadores, o LIVRE reconhece o papel fundamental que o sindicalismo desempenhou na conquista de direitos laborais em todo o mundo e também em Portugal desde a Revolução de Abril. Foi através da entreajuda e da organização da solidariedade entre trabalhadores que se conseguiram ao longo das últimas décadas as maiores conquistas laborais, muitas hoje fortemente ameaçadas, quando já não perdidas, por políticas de precarização dos vínculos laborais e degradação dos direitos dos trabalhadores. Em face desta ameaça, em boa parte já consumada com o Código do trabalho de 2012, é essencial que os sindicatos portugueses se revitalizem e recriem a ligação à sociedade portuguesa.

O LIVRE é a favor de um sindicalismo que se estenda aos trabalhadores precários, os intermitentes, os migrantes e os independentes. Nenhuns trabalhadores, empregados, subempregados ou desempregados podem ficar à margem dos sindicatos. No ano em que se registaram máximos históricos no número de portugueses sem emprego, é fundamental que estes vejam nos sindicatos um garante dos seus direitos e que se revejam nos mesmos.

É preciso que a democracia não pare à porta das empresas e, para isso, é preciso animar o sindicalismo com um novo impulso. Há que reatualizar o papel mutualista e cooperativo dos sindicatos e das outras organizações laborais, para atender à realidade cada vez mais vulnerável dos trabalhadores e das suas famílias e rejuvenescer o papel e os métodos da ação sindical, para aproximar as novas gerações de trabalhadores do potencial de luta e transformação a partir do movimento sindical.

Num mundo cada vez mais global e, sobretudo, numa União onde existe a livre circulação de trabalhadores, é essencial que os sindicatos ganhem uma realidade europeia e global na prática, acompanhando as metamorfoses políticas e económicas dos últimos anos. Esta dimensão internacional contribuirá certamente para o reforço do poder negocial por parte dos sindicatos, pelo que urge concretizá-la.

O LIVRE exorta todos os seus membros e apoiantes, e a sociedade em geral, a participar nas celebrações do 1.º de Maio, organizadas pelas centrais sindicais, bem como na manifestação «MayDay!!», contra a precariedade e o desemprego, organizada pela Associação de Combate à Precariedade – Precários Inflexíveis.

Petição

Retribuição Horária Mínima Garantida

Assine aqui a Petição