Preservar o Estado Social, combater os extremismos

Preservar o Estado Social, combater os extremismos

Sérgio LavosA História repete-se. Nunca se repete exactamente da mesma maneira, mas de cada vez que as circunstâncias se aproximam, a tendência é para que as decisões que levaram a determinada sucessão de acontecimentos se repitam, muitas tragicamente, confirmando a natureza imutável do espírito humano, para o bem e para o mal.

Foi para contrariar os erros do passado que o projecto europeu foi pensado. Foi para evitar que as decisões que conduziram à Segunda Grande Guerra ocorressem novamente que os países europeus (com o apoio e a ajuda decisiva dos EUA) começaram a construir, sobre as ruínas de um continente destruído, um espaço comum de solidariedade, onde os povos europeus pudesse caminhar em direcção a um futuro melhor, sobre o qual a sombra da guerra não pudesse voltar a cair.

O castigo infligido pelos vencedores da Primeira Grande Guerra aos vencidos, em particular à Alemanha, for o motor da ascensão do nazismo. O peso das indemnizações de guerra levou à destruição da economia alemã, e a década de vinte foi vivida entre a instabilidade política, a pobreza, o desemprego e a hiperinflação. A dívida que a Alemanha tinha era impagável, mas nem assim os seus antigos inimigos a deixaram de cobrar. Contra os avisos de alguns (entre eles, Keynes), os governos europeus persistiram em fazer pagar a Alemanha pelos seus erros.

Depois do crash de 1929 (a primeira crise económica global provocada pelos excessos do poder financeiro e pela desregulação dos mercados), a situação alemã piorou. Em 1931, o chanceler alemão Heinrich Brüning implementou um duro programa de austeridade que incluía cortes de salários e na assistência aos mais necessitados, o que por sua vez levou a um desemprego ainda mais elevado e à miséria generalizada. A impopularidade do chanceler coincidiu com ascensão do partido Nazi nas preferências dos alemães. Sabemos o que aconteceu depois.

A escolha que os vencedores enfrentavam depois do fim da Segunda Guerra Mundial era simples: persistir no castigo aos derrotados ou perdoar e reconstruir a Europa a partir desse perdão e da solidariedade entre povos. Fugiram aos erros do passado recente, e o Plano Marshall acabou por impulsionar cinco décadas de unidade e bem-estar na Europa, cinco décadas de um Estado Social que, ao combater a desigualdade entre europeus mais ricos e mais pobres e entre povos, através de um modelo de desenvolvimento que apostava na convergência entre nações e na inclusão social dos mais necessitados, levou também a que o crescimento económico acelerasse e a riqueza criada chegasse a todos.

O projecto europeu sempre foi, desde a sua génese, um projecto de paz e democracia e de desenvolvimento económico e social. Não há verdadeira democracia sem inclusão social, e a paz entre povos e nações depende sempre do bem-estar e da igualdade de oportunidades. Os extremismos nascem do descontentamento da população e do sentimento de injustiça. O Estado Social não é apenas um ideal humanista. Sempre foi uma ferramenta de combate aos extremismos que se alimentam da desigualdade e da injustiça social. Desde o Sozialstaat de Bismarck – que pela primeira vez oferecia aos seus cidadãos pensões e assistência médica gratuita –, criado para atenuar a ascensão do socialismo na Alemanha, passando pelo Estado Social inglês que fomentou o primeiro serviço universal de saúde e pelos programas de assistência aos mais pobres durante a Grande Depressão, até ao welfare state fortalecido dos anos do pós-guerra que apenas começou a ser destruído por Margaret Thatcher nos anos 80, o Estado Social tem servido de tampão ao comunismo, constituindo-se deste modo como muleta do capitalismo moderno.

A redistribuição de riqueza que o Estado Social promove é também essencial para o crescimento económico: as três décadas a seguir ao pós-guerra foram o período em que a economia mais cresceu no mundo ocidental. A riqueza acumulada durante estas décadas, redistribuída por todos, permitiu um desenvolvimento ímpar que manteve ao largo extremismos e a guerra na Europa (apesar de alguns sobressaltos pontuais, excepções que confirmam a regra).

Estas eleições para o Parlamento Europeu correm o risco de se tornar um ponto de viragem para o projecto europeu. Esta viragem poderá acontecer pelas boas razões (um reequilíbrio de forças, com o regresso da esquerda progressista a uma posição maioritária no parlamento europeu), mas também pelas piores razões: a extrema-direita apresta-se a tomar uma perigosa predominância em vários países, incluindo a França e a Grã-Bretanha. O que é lamentável nesta aparentemente imparável ascensão é que a culpa em parte é da esquerda. O discurso da Frente Nacional em França pega em bandeiras desprezadas pela esquerda social-democrata (o PS francês) e conquista território em feudos tradicionais da esquerda tradicional. A estagnação económica e o desemprego têm sido aproveitados pela extrema-direita para marcar terreno, juntando um discurso social e anti-europeu à ancestral xenofobia para ir ganhando votos aos partidos de extrema-esquerda e à esquerda social-democrata.

A esquerda precisa de um discurso europeu forte, que defenda a tradição de uma construção europeia que fez do Estado Social um dos seus principais pilares. São indissociáveis, as duas realidades. O LIVRE luta por uma Europa que regresse aos seus valores: solidariedade, igualdade, inclusão social. Por uma Europa que não deixe ninguém de fora. É a única maneira de combater os extremismos oportunistas, que se aproveitam parasiticamente do rumo errado tomado na última década pelos líderes europeus. A preservação do Estado Social deverá ser a marca identitária da esquerda, a sua principal bandeira. Quando a esquerda desistir não só de proteger os fracos, mas também de assegurar que se podem tornar tão fortes como os restantes, desiste de si mesma.

 

Sérgio Lavos, candidato do LIVRE

Petição

Retribuição Horária Mínima Garantida

Assine aqui a Petição